0

Toda a Solidariedade a quem realmente precisa!

Imaginem se toda a energia e estrutura gastas pela CUT, MST, PT, etc para defender o Lula em Curitiba hoje fossem gastas na luta contar as reformas do governo #ForaTemer?

Mas e a solidariedade contra os abusos da Lava-Jato?

Os abusos cometidos pela Lava-Jato, só são novidade para quem ou não conhece ou está muito distante da realidade da maioria da classe trabalhadora brasileira. Só quem esta há muito tempo incrustado em burocracias ou que milita apenas em áreas em que predomina as pressões pequeno burguesas é que pode se surpreender com os abusos do judiciário.

Condução coercitiva? Tem todo dia na periferia, só que lá é sem mandado, sem cobertura da mídia e em muitos casos o ou a “conduzida” nunca retorna.

Prisão Abusiva? Milhares de trabalhadores estão atrás das grades sem ter cometido nenhum crime, e sem nenhuma condenação contra eles, as únicas coisas que os mantém presos são os abusos do judiciário, e a falta de acesso a advogados para sua defesa.

Tortura psicológica para forçar confissão? Quando o “suspeito” é preto e pobre a tortura não é psicológica, é física e só tem dois desfechos, confissão ou a morte, todos dias várias famílias não veem seus filhos e filhas retornarem para casa, simplesmente porque algum policial suspeitou deles e eles não confessaram.

Poderia fazer inúmeras outas comparações entre os abusos que a Lava Jato comete, e os que sofrem a grande maioria dos e das brasileiras todos os dias, mas me contento com esses para chamar duas reflexões.

Em primeiro lugar precisamos ter claro que os abusos cometidos pela Lava Jato, apesar de ter um nítido cunho político, só estão acontecendo porque temos um judiciário elitizado, autoritário, e imune a qualquer controle social, portanto estes abusos fazem parte da estrutura do poder judiciário e se estamos preocupados com eles devemos fazer o questionamento a essa estrutura, defender o Lula não vai resolver nada.

Em segundo lugar minha reflexão é no sentido de cobrar onde esteve toda essa indignação com os abusos do judiciário quando milhares de Amarildo’s e Claudia’s foram brutalmente assinados pela polícia e nada foi feito? Porque não estamos vendo atos na mesma proporção da defesa do Lula pela liberdade de Rafael Braga, preso desde 2013 por portar uma garrafa de pinho sol? Ou na defesa das vítimas do Massacre do Pinheirinho em 2012? Ou ainda porque não foram tão massivos os atos pela liberdade dos camaradas do MTST presos na última greve geral?

É bom ressaltar que em todos os casos acima, muitos deles durante o governo do PT, não houve nem por parte do governo, e nem por parte do PT manifestações claras e efetivas de solidariedade, nem mesmo Lula “o perseguido” se manifestou em solidariedade, imagine se ele usassem toda a mídia que atrai para colocar o caso de Rafael Braga em foco? Poderia ter outro desfecho.

Não podemos esquecer ainda que nos 13 anos e meio de governo do PT nenhuma tentativa de democratizar o judiciário, ou desmilitarizar a polícia foi feita, ao contrário aprovaram leis como a “Anti-Terrorismo” que facilitou ao judiciário e a polícia aumentar a repressão e criminalização contra movimentos sociais e populares.

Porque esta solidariedade é seletiva?

Porque ela não tem nada haver com evitar a prisão do Lula, que é tão improvável que até o Sérgio Moro já admitiu que dificilmente prenderá o ex-presidente, ela tem haver sim com a retomada de um projeto eleitoral, o que vemos hoje em Curitiba é o maior ato de lançamento de uma campanha a presidência da república da história deste país.

E porque não seria bom o retorno de Lula a presidência?

Porque o problema não é um nome e sim o programa, o projeto Democrático Popular não deu certo, levou ao golpe, e até o momento a proposta do Lula e do PT é repeti-lo sem nenhuma autocrítica.

Precisamos construir um programa da classe trabalhadora, comprometido em revogar as reformas e os ataques aprovados pelo governo golpista, preocupado em auditar a dívida pública e taxar as grandes fortunas para que a conta da crise seja paga porque a criou, ou seja, os mais ricos e não pela classe trabalhadora.

Por isso tudo, se é pra ser solidário à alguém que é vítima de abusos do judiciário e da polícia sou mais os nossos, sou solidário aos milhares de Amarildo’s, Claudia’s e Rafael’s que são presos e assassinados todos os dias e não tem ninguém por eles.

 

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Vinicius Prado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *