0

Companheiros/as Funcionários/as de Escola, Vamos à Greve!

Na última assembleia aprovamos greve a partir do dia 15 de março, para isso precisamos construir em nossas escolas uma grande mobilização até o início da greve, para que possamos começar o movimento com força máxima e impor uma grande derrota aos governos Richa e Temer.

Como nas últimas semanas os ataques mais diretos aos professores, como cortes nas aulas extraordinárias, redução da hora-atividade e demissão de PSS tomaram o centro do debate, devido ao caos que as distribuições de aulas se tornaram a partir de tais medidas, tem sido comum ouvir de alguns companheiros/as de profissão questionamentos sobre o por que de nós funcionários/as nos somarmos nesta greve se os ataques são mais diretos aos professores.

Em primeiro lugar gostaria de ressaltar a necessidade da união da classe, somos todos trabalhadores em educação, e quando qualquer setor da nossa categoria é atacado, é dever de toda a classe reagir e se mobilizar, muitas vezes cobramos dos professores maior atenção a nossas pautas, e não podemos responder da mesma maneira em relação a eles.

Em segundo lugar e mais importante, a visão de que os ataques estão direcionados apenas as professores é errada, pois os ataques estão sendo direcionados a toda a categoria. Silenciosamente Beto Richa vem neste inicio de ano fechando inúmeras turmas, reduzindo porte de escolas e reduzindo a contratação de funcionários PSS, o que não só deixa os servidores temporários desempregados como sobrecarrega os demais. Algumas escolas estão tendo seus quadros reduzidos pela metade neste início de ano.

Temos também a nossa data-base, pauta que atinge toda a categoria, além dos atrasados das progressões e promoções. Richa não nos pagou, não cumpriu a lei, e sabemos que só existe uma força que pode obrigar o governador a cumprir a Lei que é a força de luta da nossa categoria, lembrem-se que foi assim que derrotamos ele em fevereiro de 2015.

A greve que se iniciará em março é uma greve Nacional da Educação, chamada pela CNTE, vários estados devem paralisar, e nossa pauta nacional será a Reforma da Previdência. O governo Temer apresentou uma proposta de reforma que na prática significará o fim do direito a aposentadoria, onde para atingir a aposentadoria integral o trabalhador/a deverá ter no mínimo 65 anos e 49 anos de contribuição, é o maior ataque aos direitos trabalhistas das últimas décadas. Essa pauta nacional por sí só já seria motivo para que todas e todos nós nos empenhássemos ao máximo na construção desta greve.

Infelizmente não existe caminho fácil, os governos e patrões estão unidos para retirar direitos da classe trabalhadora e proteger seus lucros, eles criaram a crise e querem a classe trabalhadora pague a conta, nossa arma mais forte contra eles são as greves, e mais do que nunca neste momento precisamos construir a maior e mais forte greve das últimas décadas para fazer frente aos governos estaduais e federal, só assim poderemos derrotar os ataques que estão postos.

#VamosALuta #SóALutaMudaAVida #GreveGeral

Vinícius Prado

Agente Educacional II

Colégio Estadual do Paraná

CompartilheShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Vinicius Prado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *